Caneta preta

08/11/2017

Preta é minha caneta que está descrevendo o caminho de terra preta entre o verde do jardim, com lindas flores de varias cores!

Preta é a noite sem luar que insiste em me assustar com seus fantasmas imaginários, porque só existem em minha imaginação, por conta do meu medo da escuridão.

Preto é o fundo do lago por conta dos detritos do lixo que nele são jogados por nós.

Preta é roupa do luto de quem perdeu entes queridos.

Preto é o coração da pessoa que se entre algum tipo de vicio, vicio este que não o deixa ver, outra cor, a não ser o preto.

Preto é uma cor que assusta, que se oculta por de traz da escuridão!

Preto é a cor da Infelicidade.

Preto é a vida que se entrega a dor, e se recusa a se entregar ao amor.

Preto é a poluição da cidade provocada pelos automóveis, fabricas entre outros.

Preta é minha caneta que deseja ver todas essas coisas transformadas em alegria e luz. Pois, apesar de sua cor preta, ela também consegue descrever a cor verde da esperança, cor azul do céu e do mar, e aprender amar para sentir serenidade no falar, a seguir e a viver sua vida em paz .

Vida esta que é d descrita e sentida pela minha caneta preta, mas com a cor branca das nuvens e as ondas do mar, com as mais lindas cores de todas as flores do mais belo jardim.

A minha caneta preta quer muito descrever a beleza da vida, que sua cor preta, não significa dor e sofrimento, mas uma estação para mudar, e com esta renovação podemos ver o mundo não só em preto, mas com todas as cores da natureza.

Preta é a cor da minha caneta, que diz que ela é importante para frisar que não se deve estacionar na dor, mas seguir adiante voando pelo azul do céu, sem sair desta santa terra de Deus!

Preta é a minha caneta, mas não a cor de nossa vida.

Vida nossa tão linda que todas as cores do universo não poderiam dizer. A vida tem a minha Cor, porque a cor da nossa vida é o Amor!